O frasco ( El frasco )

O frasco ( El frasco ), de Alberto Lecchi, Argentina, 2008. A qualidade do filme e roteiro estão justamente na simplicidade do enredo e dos personagens centrais mostrando os nossos “hermanos portenhos” a nós, que mais uma vez, o que precisa para fazer bons filmes não são só orçamentos mastodônticos, mas sim ideias originais e interessantes. O personagem central da trama é um motorista de ônibus interestadual; Um sujeito desconfiado e com uma permanente insônia que o faz ficar distante das pessoas, diria que era um semi-autista com um passado misterioso. Em uma viagem o motorista conhece uma professora que lhe pede um favor: Levar seu exame de urina ao hospital da cidade ao lado, a cinquenta quilômetros da moradia do trailer da moça. Como ficara apaixonado no ato pela tal professora de primário o estranho motorista acaba por quebrar o frasco que estava a urina da moça e isso acarreta em mais alguns dias de uma insônia crônica na coitado do motorista solitário. Eis que surge uma ideia; Para não dizer que quebrou o pote ele acaba por colocar sua urina e entregar ao hospital dizendo à professora que tinha entregado seu frasco e em alguns dias iria ele mesmo pegar o resultado do exame. A moça, que também estava na seca, acaba se relacionando com o motorista misterioso e descobre o seu tenebroso passado, fato este que o fez transformar-se em um motorista de ônibus para fugir do seu próprio passado e suas amargas lembranças familiares. Por ser muito calado, no trabalho apelidaram como mudo, o que fez sua autoestima ficar pior ainda, se é que isso ainda era possível. Mas o “mudo” acaba mudando o jogo desfilando com uma mulher bonita em frente aos seus colegas, que obviamente ficaram roxos de inveja. Namoro vai e relação amorosa vem até que o casal feliz vai ao bendito hospital pegar o exame e então sem opção o motorista mudo acaba por contar que o exame era seu e não da sua namorada. No exame é constatado que o mudo tinha poucos dias de vida. Ele decide voltar a sua cidade natal e espantar seus fantasmas passados para pelo menos morrer em paz consigo mesmo. A fotografia do filme, apesar de ser quase toda rodada em um ônibus e por isso modesta, é linda. Os personagens fazem da sua simplicidade o trunfo de mais um filme argentino que mostra que tem muito a ensinar, em especial a esse país continental chamado Brasil.

Comentários

Filme muito humano, mostrando as fragilidades do ser dentro de seus aspectos de pureza! Vale a pena ser assistido!
Anônimo disse…
Filme lindo demais. Simples toda vida e de uma riqueza de emoções, de beleza. Uma das coisas mais tocantes que já vi...

Postagens mais visitadas deste blog

Peguei

Covid's

Amadurecimento