Postagens

O Mecanismo

O Mecanismo, da Netflix, Brasil, 2018. Com um áudio praticamente inaudível, o diretor brazuca José Padilha desperdiça o piloto( o primeiro capítulo) e mais dois episódios seguintes na série que tenta mostrar o início da operação chamada por lava-jato, esta ainda vigente no Brasil prendendo, inclusive, o ex-presidente Lula e outros tantos mais que fizeram do Brasil um dos países mais corruptos do mundo. O esquema era antigo ( desde a primeira eleição democrática em 1985) e eficaz; consistia em armar um cartel de empreiteiras ( OAS, Odebrecht etc), afim de ganharem licitações para obras públicas milionárias em prol destas empresas darem dinheiro para este mesmo partidos ou políticos ganharem as eleições futuras. E o esquema deu certo: tanto com os governos FHC, como os de Lula e Dilma posteriormente. Os esquemas de superfaturamentos em obras públicas era tão "certinho" que até existiam planilhas para cada operação ou obra ou até político que ganhava muito dinheiro com as tais …

O Jovem Karl Marx

O Jovem Karl Marx, dirigido pelo haitiano Raoul Peck,e co-escrito por Raoul Peck e Pascal Bonitzer, e estrelado por August Diehl, Reino Unido, 2017 . Impressionou-me a biografia deste gênio por essa obra apoiar-se, ou se alimentasse, da história do surgimento da revolução industrial, na Inglaterra. Foi Marx que em uma viagem de Moscou para Londres, viu a instalação do princípio de um regime escravocrata, logo no início do surgimento da revolução industrial. Marx: amigo de um inglês, filho que não concordava com as atitudes e decisões de um dos empresários fundadores das primeiras fábricas tecelãs londrinas; Marx meio que consegue freiar o movimento a fim de conseguir o mínimo de condições trabalhistas possíveis para aqueles ingleses e inglesas pobres que se embrenhavam em um tipo de regime de trabalho inovador e revolucionário, para época. Nas brechas que os empresários , e eram muitas essas,“deixavam” para que Karl Marx dissesse: “ Assim também é demais, não pode ser, tem de respeita…

3% - Segunda Temporada

3% - Segunda Temporada , da Netflix, 2018, universal para 190 países, 2018. A série, de dez capítulos, com média de 50 minutos cada, trata-se de uma estória de ficção cientifica 100% cento nacional, e é série estrangeira mais vista nos “states”, ou seja: um tremendo sucesso de público. Em sua segunda temporada temos uma noção agora o que é são as duas ilhas chamadas por: Maralto e Continente. Recapitulando, 97% dos habitantes de um futuro distópico em terra tupiniquim em um lugar chamado por Continente, e enquanto só 3% dos habitantes do Continente tem a chance de migrar para o paraíso do Maralto, lugar este onde não existem doenças nem fome, porém todavia tal migração só pode ocorrer quando a pessoa faz 20 anos de idade para, então, competir no famoso e rigoroso "vestibular" chamado por Processo, este que dá acesso as maravilhas do mundo perfeito da ilha do Maralto. Como continuação da primeira temporada a saga de completar 20 anos e então mudar de vida continua nesta segun…

A Grande Jogada

A Grande Jogada, dirigido por Aaron Sorkin, EUA/China, 2018. A única coisa que não é falsa é o dinheiro: esta frase resume bem o filme. A obra fílmica, que tem uma pegada ultra verborrágica, fala de uma protagonista que já tinha sido atleta olímpica, mas precisamente na modalidade de esqui livre, todavia devido a um acidente em competição o rumo da sua vida muda totalmente. Ela muda-se para Hollywood, e lá dorme em um sofá na casa de um conhecido por três meses, sem troca alguma. Quando, repentinamente, é atropelada, consegue um emprego de secretária do homem que a atropelou. O trabalho deste homem era em organizar mesas de pôquer para celebridades do mundo dos negócios e do cinema na capital californiana. Inicialmente ela passa a ligar para os caras e marcar os jogos de azar em lugares que não dessem muita bandeira, apesar de não estarem, ela e seu chefe, fazendo nenhum negócio ilegal, até então. Gostei da montagem do filme, ora nos colocando em flashbacks ou ora nos colocando em pas…

Lady Bird – A Hora De Voar

Lady Bird – A Hora De Voar, dirigido e escrito pela Greta Gerwig, EUA, 2018. Não quero, nem vou, dar nó em pingo d’água. Trata-se de um filme de mediano pra ruim. Muito me admira que a obra “obrada” concorreu a quatro indicações ao Oscar; Roteiro ( brincadeira!); Direção, melhores atrizes : Principal e Coadjuvante, onde a última engole a tímida e “testalenciosa” protagonista. Todavia vamos a uma breve sinopse: uma garota de dezessete anos , moradora de Sacramento, estudante de um centro católico, com um meio irmão meio mexicano e um pai desempregado, e ainda uma mãe enfermeira que não sabia trocar boas ideias com ela. O resultado de todos os aspectos citados na cabeça da moçoila é previsível, assim como o raso roteiro do filme, ou seja, Christine só pensa em passar em uma faculdade e se mandar da sua cidade natal, deixando todos aqueles parentes inconvenientes. Em síntese o filme tenta mostrar o último ano de colegial dos estadunidenses através das descobertas hormonísticas sob o pont…

Trama Fantasma

Trama Fantasma, escrito e dirigido por Paul Thomas Anderson, encabeçando o elenco: Daniel Day-Lewis, EUA, 2018. Não sei se vocês já repararam, mas estamos fazendo críticas de todos os filmes que foram indicados na categoria de melhor filme ao Oscar 2018; e de todos, até agora, o mais difícil de escrever foi este. Primeiro porque estamos vendo um filme com, simplesmente, o melhor ator do planeta ( Daniel Day-Lewis ), este que já anunciou que foi seu último filme, ou seja, uma perda incalculável para sétima arte, porque ele era o melhor mesmo. No tocante ao filme, o defini como “difícil” por vários aspectos, dentre os quais acho mais prudente destacar nós mesmos, ou trocando em miúdos: a arte ou o desespero de entregar-se a outra pessoa, com suas causas e consequências, obviamente. Estamos na Londres do inicio dos anos 1950, onde o protagonista, o gênio ator Daniel, é o maior costureiro e também requerido pela realeza britânica e os seus inúmeros puxas-sacos. Uma pessoa com um talento d…

Me Chame Pelo Seu Nome

Me Chame Pelo Seu Nome, dirigido por Luca Guadagnino ( onde faz, sem dúvida, seu melhor filme ), Itália/Brasil/França/EUA, 2018. Baseado no livro homônimo de Aciman André, o filme foi indicado a quatro categorias no Oscar, inclusive a de melhor filme, mas só obteve êxito em uma: a de melhor roteiro adaptado, e com méritos, escreva-se de passagem. Estamos em uma linda cidadela interiorana de veraneio na Itália, em 1983. Chega à cidade um estadunidense, de 24 anos, convidado por seu orientador acadêmico: o pai do protagonista: este em questão um jovem que fala três línguas e ainda por cima toca incrivelmente bem piano, e isso com apenas 17 anos de idade. Os primeiros 57 minutos do filme narra à rotina de um típico verão ensolarado e agradável para ficar em água, ou melhor, na água a fim de refrescar-se do calor. O ponto de virada do filme surge quando o protagonista começa tomar coragem e paquerar o visitante. É fundamentalmente importante salientar que, apesar de ser um filme de temáti…